terça-feira, 13 de junho de 2017

MIRIAM LEITÃO SEMEOU VENTO; COLHEU TEMPESTADE.



Miriam Leitão não é terrorista. Adjetivá-la assim é covardia, sobretudo por ter sido ela presa pela Ditadura. Empurrar sua cadeira, como a jornalista relatou no artigo de hoje, é mais grave ainda, é agressão e merece todo repúdio.

--

Dito isso, há vários entretantos, contudos, todavias e poréns nessa história toda.

--

O primeiro entretanto se chama empatia. Para a Psicologia, empatia é a identificação de um sujeito com outro; quando alguém, através de suas próprias especulações ou sensações, se coloca no lugar de outra pessoa, tentando entendê-la.

Miriam provoca nossa empatia com o seu texto. Sentimos dó, pena, nos colocamos no lugar dela e podemos perceber a injustiça, a agressividade, a sensação de impotência...

Mas, pôde Miriam, n´algum momento, se colocar no lugar dos petistas? Pôde a jornalista pensar sobre os sentimentos dos militantes? Conseguiu ela refletir sobre quais reações suas opiniões e posturas poderiam provocar ao longo destes anos?

Por óbvio a ação dos dirigentes naquela aeronave foi errada e por muitos já condenada. Mas ninguém vai se colocar no lugar deles? Lanço aqui um desafio a Miriam e a todos que estão com o dedo em riste acusando os petistas de serem intransigentes, intolerantes e até violentos.

Se coloca no nosso lugar.

Põe uma camisa da CUT e vai andar no Eixão, para saber o que é coação.

Veste um boné do MST e experimenta ir ao Iguatemi, para ver o que é intolerância.

Nas redes sociais, tenta defender Lula e entenderá o que é perseguição.

Pega o mesmo vôo de volta a Brasília com a camisa do PT e saberá o que é manifestação de ódio...

Não estou defendendo o revanchismo, o olho por olho, o justiçamento. Longe disso. Mas não posso deixar de pontuar a parcela de responsabilidade que outros personagens tem sobre a consolidação deste cenário, extremado e perigoso.

Quem semeia vento, sem erro, colhe tempestade.

--
Eu sempre fui bastante liberal neste quesito: políticos, personalidades, figuras públicas, tem que saber que estão expostos a manifestação popular. Lembram quando Dilma foi vaiada numa universidade nos EUA? Escrevi texto defendo o direito do cara de fazer isso.

Acho errado abordar a figura pública quando está no "dia de folga", em ambiente privado, com a família e filhos, etc. Agora, na rua? No aeroporto? Mas é claro que pode. No linguajar católico, é nosso dever e nossa obrigação.

Querer transformar isso em crime, deselegância ou coisa que o valha, se aproxima de Dória e sua ridícula tentativa de censurar críticas a ele nas redes sociais, ou a Temer e a grotesca iniciativa de proibir uso de sua imagem em memes nas redes sociais. Miriam Leitão, assim como toda e qualquer pessoa pública, tem que se submeter, sim, a um possível constrangimento popular. Digo e repito: sem covardia, agressão ou injúria.

--

Outra coisa , me lembrou o amigo Fernando Stern, ela sofisma ao dizer que a emissora foi fundada depois de Getúlio, afinal de contas o jornal O Globo existia e foi, sim, atacado após seu suicídio (ver abaixo).

Ela, nesse caso, acusa os petistas não ter conhecimento histórico mínimo. Ou a carapuça serve para ela; ou foi cinismo puro. Vai saber...

--

PS: por curiosidade, não mais que isso, dá um Google na expressão "Miriam Leitão repudia ataques ao PT"... Que tal?

--

Sobre o ataque ao Globo:

No entanto, após o suicídio de Getúlio, os veículos de imprensa, artífices do golpe foram também golpeados pela população ensandecida.

A "Tribuna da Imprensa" de Lacerda foi empastelada. A redação de 'O Globo' foi atacada, carros do jornal foram destruídos, o 'Jornal do Commercio' teve sua oficina invadida, vários dos 17 jornais foram alvos da massa", diz Janio de Freitas.



http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/151113/Janio-conta-como-Get%C3%BAlio-foi-morto-pela-m%C3%ADdia.htm 

sexta-feira, 9 de junho de 2017

DEMOLIDOR DE IBOPES



Nas últimas três eleições na Bahia os institutos de pesquisa ficaram nacionalmente conhecidos pelos erros em suas previsões. Apesar das urnas darem a vitória aos candidatos do PT já no primeiro turno, as sondagens sempre mostraram vantagem para os candidatos do DEM e seus aliados.

Foi divulgada na manhã desta sexta-feira (09) pela Record TV Itapoan, levantamento sobre a intenção de votos dos eleitores baianos para o Senado, em 2018, quando haverá duas vagas para a Bahia.

Jaques Wagner (PT) aparece na frente (36,1%) dos demais candidatos em todos os cenários pesquisados, superando adversários do DEM, PSDB e PMDB com mais que o dobro das intenções de voto.

Se até o Instituto Paraná está admitindo a liderança de Wagner, das duas uma: ou a vantagem é tão grande que não deu para esconder; ou querem fazer as pazes com o eleitorado e não cometer os erros de 2014, 2010, 2006...

(Texto circulando nos grupos de WhatsApp da Bahia. O #Blog não identificou autoria.)

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DA BAHIA


A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DA BAHIA

Vamos direto ao ponto: a Bahia é hoje o melhor lugar para se investir no país. As condições necessárias a um ambiente favorável para o desenvolvimento econômico são segurança jurídica, infra-estrutura instalada e eficiência na gestão. E tudo isso se vê na Bahia.

Em um cenário nacional adverso, marcado por instabilidade e incertezas, e mesmo enfrentando forte queda em suas receitas - somente do FPE a Bahia perdeu mais de R$ 1,5 bilhão entre 2013 e 2015 - nosso Estado é exemplo para o Brasil. O Governo Rui Costa alia racionalidade e austeridade, sem atrasar salários, abandonar investimentos, nem paralisar obras.

E por falar em obras, é difícil destacar somente algumas. São muitas, são estruturantes e tem, junto com as políticas sociais, mantido um nível de atividade econômica ímpar. Em andamento, temos a Linha 2 do Metrô, a Linha Azul, a Linha Vermelha, a Via Barradão, a Via Metropolitana e o Anel Viário de Candeias. A caminho, a Linha 3 do Metrô (Pirajá, Águas Claras e Cajazeiras); o VLT do Subúrbio; e a Nova Rodoviária. Quem circula o Brasil sabe que não há lugar com tantas e tão importantes obras.

A Bahia deixa evidente, assim, que possui um governo sólido, marcado pela responsabilidade, que cumpre seus compromissos e garante um excelente ambiente de negócios para o investidor.

E é neste contexto que a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), sob a condução do ex-ministro Jaques Wagner, tem atuado na atração e promoção de investimentos, nacionais e estrangeiros, para os setores estratégicos da economia baiana. A SDE tem agido, em articulação com diversos outros setores de governo, para oferecer aos novos empreendedores incentivos fiscais, concessão de áreas, regularização fundiária, licenças ambientais, investimentos em infra-estrutura, enfim, um leque de estímulos e benefícios para quem quer se instalar e produzir, de maneira responsável e sustentável, na Bahia.

Somente nos quatro primeiros meses de 2017, foram assinados na secretaria 43 protocolos de intenção, com a estimativa de investimentos de R$ 1,6 bilhão e geração de mais 5 mil novos empregos, nos mais variados setores, tais como Química, Petroquímica, Mineração, Energias Renováveis, Economia Criativa e da Cultura, Agronegócio, Agricultura Familiar, Calçadista, dentre outros.

Além dos incentivos citados, apostamos também nosso maior potencial de atração: o povo baiano. Sempre acolhedor, que sabe receber e tratar bem os seus visitantes, o baiano tem um compromisso com o trabalho que favorece ganhos de produtividade, como em poucas regiões do país.

Assim, não temos dúvida em (re)afirmar que hoje a Bahia é a melhor opção de investimento no país. Estado que gera crescimento, com segurança jurídica e eficiência, sem abrir mão do desenvolvimento social e elevação da qualidade de vida da sua gente. Os versos eternizados por Caymmi seguem cada vez mais verdadeiros: "A Bahia tem um jeito que nenhuma terra tem".

Éden Valadares é assessor-chefe da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia.

Hoje o site Bocão News publicou artigo meu sobre a Política de Desenvolvimento da Bahia (reproduzido acima). Fica a sugestão de leitura: http://www.bocaonews.com.br/artigo/577,a-politica-de-desenvolvimento-da-bahia.html